BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

terça-feira, 30 de junho de 2009

Sabe quando a sua vontade se resume a tomar uma pílula que te faria se tornar um alguém mínimo?
uma pessoinha tão pequena q caberia nos bolsos?!
O.O
minimimmmmmmm!rs



;]

segunda-feira, 22 de junho de 2009





.abre as cotinas pra mim, que eu não me escondo de ninguém.

sábado, 20 de junho de 2009

Roulette
System of a Down
Composição: System Of A Down

I have a problem but i can't explain,
I have no reason why it should have been so plain,
Have no questions but I sure have excuse,
I lack the reason why I should be so confused,

I know, how I feel when I'm around you,
I don't know, how I feel when I'm around you,
Around you,

Left a message but it ain't a bit of use,
I have some pictures, the wild might be the deuce,
Today you saw, you saw me, you explained,
Playing the show and running down the plane,

I know, how I feel when I'm around you,
I don't know, how I feel when I'm around you,
I, I know, how I feel when I'm around you,
I don't know, how I feel when I'm around you,
Around you, around you

I, I know, how I feel when I'm around you,
I don't know, how I feel when I'm around you,
I, I know, how I feel when I'm around you,
I don't know, how I feel when I'm around you,
Around you, around you, around you, around you,
around you...

Dormir por quase 14 horas, significa que você não quer se defrontar com o mundo.
Portanto, os sonhos intermináveis, podem ter os significados que você quiser.
Sonhara com o carro, com uma estrada totalmente escura, obscura, cheia de árvores com rostos.
O único meio de enxergar era pelos faróis.
E eu, sutilmente, entendia tudo isso como 'os olhos de meus amigos', iluminando meus caminhos que não entendo. A luz que irradia.



...

quarta-feira, 17 de junho de 2009

[Versos Teimosos]

Escrevi em milhões de fragmentos de papel, em cadernetas, em post its, enfim, lembretes, frases, sensações ao travesseiro e ao som de determinadas canções. E fui relutante a escrever por aqui, tornando público meus maus agouros e minhas pseudo poesias, contos, desabafos.
Tanta coisa aconteceu, bombas atômicas explodiram minha vida. Mas tudo me fez racionalizar, adequar e pedir pra ir embora desse corpo, desse mundo, fôra inevitável...=(
E repensei de forma crua, como se a venda fosse arrancada junto com minhas pálpebras, mas pude enxergar, finalmente.
Que a existência é marcada por 'faltas de'.
Há de se aprender a viver sem mãos,
Braços, pernas, filhos, sonhos famintos.
Há de conviver com amores frustrados,
Com marasmo, indignação.
Viver é APRENDER A LIDAR COM AS FALTAS.
Detesto aqueles conformistas otimistas, que dizem que é assim mesmo, e que você deve sorrir e manter a cabeça erguida, feito soldado forte.
Eu quero o direito de ser fraca.
De poder ainda dizer que tudo isso não só me incomoda, como me faz ser infeliz de verdade. Que comoções gerais já não me sensibilizam, que palavras tornaram-se nada além de palavras.
E eu vou assim...Temendo contemplar rosas pelos ferimentos causados por alguns espinhos.
Na descrença do amanhã promissor.
Na falência dos sentidos reais.
Perder não é uma condição...É FATO!




'prever serviu pra eu me enganar.'

[Sempre pode pintar uma jamanta na esquina. - Caio Fernando Abreu]‏

Estás desempregado? Teu amor sumiu? Calma: sempre pode pintar uma jamanta na esquina.

Tenho um amigo, cujo nome, por muitas razões, não posso dizer, conhecido como o mais dark. Dark no visual, dark nas emoções, dark nas palavras: darkésimo. Não nos conhecemos a muito tempo, mas imagino que, quando ainda não havia darks, ele já era dark. Do alto de sua darkice futurista, devia olhar com soberano desprezo para aquela extensa legião de paz e amor, trocando flores, vestida de branco e cheia de esperança.Pode parecer ilógico, mas o mais dark dos meus amigos é também uma das pessoas mais engraçadas que conheço. Rio sem parar do humor dele- humor dark, claro. Outro dia esperávamos um elevador, exaustos no fim da tarde, quando de repente ele revirou os olhos, encostou a cabeça na parede, suspirou bem fundo e soltou essa: -"Ai, meu Deus, minha única esperança é que uma jamanta passe por cima de mim..." Descemos o elevador rindo feito hienas. Devíamos ter ido embora, mas foi num daqueles dias gelados, propícios aos conhaques e às abobrinhas.

Tomamos um conhaque no bar. E imaginamos uma história assim: você anda só, cheio de tristeza, desamado, duro, sem fé nem futuro. Aí você liga para o Jamanta Express e pede: -"Por favor, preciso de uma jamanta às 30h15, na esquina da rua tal com tal. O cheque estará no bolso esquerdo da calça". Às 20h14, na tal esquina (uma ótima esquina é a Franca com Haddock Lobo, que tem aquela descidona) , você olha para esquina de cima. E lá está- maravilha!- parada uma enorme jamanta reluzente, soltando fogo pelas ventas que nem um dragão de história infantil. O motorista espia pela janela, olha para você e levanta o polegar. Você levanta o polegar: tudo bem. E começa a atravessar a rua. A jamanta arranca a mil, pneus guinchando no asfalto. Pronto: acabou. Um fio de sangue escorrendo pelo queixo, a vítima geme suas últimas palavras: -"Morro feliz. Era tudo que eu queria..."

Dia seguinte, meu amigo dark contou: - "Tive um sonho lindo. Imagina só, uma jamanta toda dourada..." Rimos até ficar com dor na barriga. E eu lembrei dum poema antigo de Drummond. Aquele Consolo na Praia, sabe qual? "Vamos não chores / A infância está perdida/ A mocidade está perdida/ Mas a vida não se perdeu" – ele começa, antes de enumerar as perdas irreparáveis: perdeste o amigo, perdeste o amor, não tens nada além da mágoa e solidão. E quando o desejo da jamanta ameaça invadir o poema – Drummond, o Carlos, pergunta: "Mas, e o humour?" Porque esse talvez seja o único remédio quando ameaça doer demais: invente uma boa abobrinha e ria, feito louco, feito idiota, ria até que o que parece trágico perca o sentido e fique tão ridículo que só sobra mesmo a vontade de dar uma boa gargalhada. Dark, qual o problema?

Deus é naja - descobrimos outro dia.

O mais dark dos meus amigos tem esse poder, esse condão. E isso que ele anda numa fase problemática. Problemas darks, evidentemente. Naja ou não, Deus (ou Diabo?) guarde sua capacidade de rir descontroladamente de tudo. Eu, às vezes, só às vezes, também consigo. Ultimamente, quase não. Porque também me acontece – como pode estar acontecendo a você que quem sabe me lê agora - de achar que tudo isso talvez não tenha a menor graça. Pode ser: Deus é naja, nunca esqueça, baby.Segure seu humor. Seguro o meu, mesmo dark: vou dormir profundamente e sonhar com uma jamanta. A mil por hora.




[ e estamos aqui, aguardando nossas 'jamantas'...]

[Mário Quintana]

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho,
a casca dourada e inútil das horas.

Desta forma, eu digo:
Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo,
a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará mais.

domingo, 14 de junho de 2009

Já diria eu...



Deixava aquilo que era velho, descabido e roto a muitos passos para trás.






Num desses devaneios em bus lotado e mente vazia...
alguém aí entende, eu sei....!!!!


:}




^^

Chorar por tudo que se perdeu, por tudo que apenas ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar a ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas tentativas de aproximação. Tenho vergonha de gritar que esta dor é só minha, de pedir que me deixem em paz e só com ela, como um cão com seu osso.
A única magia que existe é estarmos vivos e não entendermos nada disso. A única magia que existe é a nossa incompreensão.

Caio Fernando Abreu

Posso ir aonde quiser.
Posso sentir o que vier.
Posso escolher.
Posso absorver.
Posso subverter.
Posso o tudo, o nada.
O intemediário.
O fracionado.
O insensato.

terça-feira, 9 de junho de 2009

[aos escrotos desse mundo vil....]