BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Madrugada

Nas noites em que tudo se esmurece, se altera de uma forma que a mim, é reconfortante.
Ora, não há ruídos pela casa, posso enfim ouvir o silêncio.
Mas silêncio se ouve?
Se sente.
E nesta calmaria de luzes apagadas, de telefones mudos,
É que se permite escutar o timbre da alma.
Afinada em dó, em dor.
Cortes, holofotes, receituário.
Tarja preta...Da censura, do controle.
Assombrações, ondas que atravessam o estômago.
Mentiras pra si mesmo.
Versos simples, clinicamente, cinicamente, diagnosticada.
Eleve suas doses,
Conteste sua sensatez,
Leia nas palavras pequeninas,
O tal segredo dessa pílula.
A procura da existência perfeita.
Mas quando se acaba a amargura, a descrença,
Acabou-se também, a vida terrena.
Neste silêncio que me glorifica,
A ser menos idealista,
Dessas milhões de promessas não cumpridas.
Quem seria eu, então?

1 comentários:

Alexandre disse...

a dor é poética... !

e a felicidade é ácida... !